ID#38 – Selamento Imediato da Dentina

Tempo de leitura: 3 minutos

Transcrição do vídeo

Essa semana eu recebi uma pergunta de uma colega que questionou sobre o brilho final de muitos preparos para restaurações indiretas mostrados nas redes sociais. E conversamos sobre isso no nosso grupo fechado de whatsApp. Se você tem interesse, vai lá no nosso site inspirandodentistas.com.br se inscreve na nossa lista VIP e ao receber nossos emails enviamos o convite para você fazer parte desse grupo que é super participativo. E um grupo só para trocar experiências odontológicas, nada de bom dia, boa tarde ou boa noite. Pessoal focado. Mas voltando ao nosso assunto, o questionamento nos direcionou para um procedimento chamado Selamento Imediato da Dentina que vou falar hoje nesse vídeo, e que tem tudo a ver com o brilho final dos preparos.
Se você não me conhece ainda eu sou Dulce Simões do Inspirando Dentistas, e nosso assunto de hoje, como já falei, é sobre um protocolo chamado Selamento Imediato da Dentina. Esse protocolo não é nada novo mas muita gente ainda desconhece ou não aplica, mas vale a pena conhecer e rever os conceitos. Foi abordado pela primeira vez por Pashley et al. em 1992 e depois aprovado por um número grande de autores com seus trabalhos avaliando a efetividade desse procedimento. 
A primeira coisa que devemos ter em mente é que ao fazermos um preparo para uma restauração indireta, e se nesse preparo houve exposição da dentina, nós devemos proteger essa dentina nesse espaço entre o preparo e a cimentarão da peça protética, certo? Claro, pois só para lembrar quando cortamos 1cm2 de dentina expomos em torno de 3 milhões de túbulos. Esses túmulos representam milhões de “caminhos microscópicos para a polpa” porque todo caminho aqui termina na polpa. E o que é que pode acontecer?Pode acontecer a penetração dos produtos bacterianos solúveis através dessa dentina para a polpa onde vão provocar reações imunológicas e inflamação que podem ameaçar a vitalidade pulpar.
Eu sei que você pode estar pensando que os provisórios podem cumprir esse papel, e podem sim parcialmente, mas não de forma bastante efetiva. Antes de ficar do contra veja esse vídeo até o fim e se não te convencer pode questionar a vontade. Ah! e se gostar coloca um like.
Mas, vamos ao selamento. O selamento Imediato da Dentina procura exatamente isso, proteger a polpa das bactérias  e seus produtos. Além disso, com esse passo ainda se consegue prevenir sensibilidade pós operatória, além, de vários trabalhos mostrarem que com essa hibridização prévia da dentina se consegue potencializar a adesão no momento da cimentação e uma melhor adaptação marginal.
Pois é, muitos dos preparos que você vê nas redes sociais, claro que super bem feitos e bem acabados e polidos, na maioria das vezes apresenta aquele aspecto brilhoso devido a colocação dos sistemas adesivos através da técnica de Selamento Imediato da Dentina, que deve ser realizado logo, logo mesmo após todo o preparo cavitário, inclusive com esse preparo muito bem acabado e polido. O selamento não substituiu um preparo bem feito, certo? Então depois de terminado o preparo e antes da moldagem, é nesse momento que faremos essa híbridização. E que materiais usaremos para fazer esse selamento? A técnica mais usada, ou seja a mais indicada, preconiza o uso de sistemas adesivos não simplificados, que são  os convencionais de 3 passos, ou os auto-condicionantes de 2 passos. De preferência também adesivos que contenham carga na sua composição. 
E a técnica para fazer isso? Qual o protocolo? Isso a gente vai deixar para o próximo vídeo. E eu aguardo você lá. Beijo grande.

Deixe seu Comentário