ID#28 – Não se faz mais condicionamento da dentina?

Tempo de leitura: 3 minutos

Transcrição do vídeo

Olá pessoal, eu sou Dulce Simões do Inspirando Dentistas e a semana passada uma ex-aluna me enviou um WhatsApp perguntando se era verdade que os melhores sistemas adesivos hoje são aqueles que não se faz mais o condicionamento ácido da dentina, ou seja, os melhores seriam os auto-condicionantes e os universais. Se você também está perdido nessa questão aguenta um segundo que é sobre esse assunto o vídeo de hoje.
Bem, vamos começar do começo para situar o pessoal. Então vamos entender que hoje temos 3 categorias, ou famílias, vamos chamar assim, três famílias de sistemas adesivos. Os adesivos, convencionais, os autocondicionantes e os universais. Os convencionais podem ser os convencionais de 3 passos e os convencionais de 2 passos. 
Os auto-condicionantes podem ser os de dois passos e os de um passo e os universais com possibilidades de variados protocolos. Quanto a esses variados protocolos se você não sabe do que estou falando eu fiz um vídeo recentemente explicando sobre esses adesivos, se não viu ainda vai lá, vou deixar o link aqui em algum lugar para você acessar direto, ok? 
Pois vamos lá pessoal. Nos sistemas convencionais fazemos condicionamento do esmalte e da dentina e nos autocondionantes hoje fazemos apenas no esmalte que é o chamado condicionamento seletivo. 
Mas vamos direto agora ao que interessa, vamos responder a pergunta da colega. É verdade que existe a tendência de não fazer mais o condicionamento da dentina? Sim, é verdade. Hoje há uma corrente no sentido de indicar como melhores sistemas os autocondicionantes de dois passos, aqueles que tem um primer acidulado e um bond e os sistemas universais. 
Mas por que? Vamos entender melhor. Pessoal percebam isso. Apenas o passo de condicionamento ácido da dentina leva a uma quantidade grande de variáveis que podem induzir a erros no protocolo e que trás como uma das consequências, dentre várias outras, a sensibilidade pós operatória. 
Exemplos disso: O condicionamento ácido na dentina deve ser de no máximo 10 segundos. Pronto 10 segundos. Será que o tempo que você leva para ir de um canto da cavidade a outro já não ultrapassa os 10 segundos naquela área que você começou? Outro ponto, a lavagem. Lavamos abundantemente e sabemos que não se deve remover toda água, devemos deixar a dentina levemente umedecida. 
Mas quanto assim? Como quantificar? Empírico isso né? Pode retirar demais e levar ao colapso das fibras colágenas, dificultando a penetração do adesivo, o que vai ter como consequência a diminuição da resistência adesiva, ou pode deixar água demais o que vai solubilizar o sistema adesivo. 
Mais bronca. Outro ponto. Será que o sistema adesivo vai conseguir envolver toda área da dentina que foi condicionada? Será que a grande maioria das fibras colágenas que foram desmineralizadas serão realmente recobertas? Pois se não forem, teremos aí o que se conhece como nanoinfiltração.
Mais um ponto. Quando você faz o condicionamento ácido da detina, você estimula as enzimas metaloproteinases e catepsinas, que ativadas começam a degradar as fibras colágenas. É pessoal elas estão lá bem quietinhas aí a gente vem e coloca ácido sobre elas, elas ficam revoltadas, e começam a agir, e só sabem fazer isso, degradar as fibras colágenas e consequentemente degradar a camada híbrida. 
Viram como tem coisa? Pois por esses vários motivos hoje a tendência é realmente usar os sistemas adesivos autocondicionantes de dois passos e os sistemas universais sem condicionar a dentina com ácido fosfórico. Lembrando que o esmalte será, e deve ser sempre condicionado.
Se você gostou dessa sacada coloque um like, comente, e compartilhe com seus colegas. Se tem alguma dúvida faça perguntas pois elas serão sempre bem vindas e vou procurar responder a todas.
E vejo vocês no próximo vídeo, beijo grande e até lá.

Deixe seu Comentário