Condicionamento ácido – incrível detalhe que faz a diferença.

Condicionamento ácido – incrível detalhe que faz a diferença.

Tempo de leitura: 1 minuto

Ao realizarmos restaurações, nosso maior desejo é reproduzir da melhor maneira possível as características dentais, tanto na sua forma quanto nas suas características ópticas. Ficamos muito preocupados com seleção de cor, técnicas de estratificação, o tipo e a marca da resina que usaremos, o que deveremos empregar para fazer acabamento, polimento e mais um sem número de outros fatores que consideramos de extrema importância.

Mas, muitas vezes desconhecemos pequenos detalhes que podem atrapalhar nosso resultado final. Vamos dizer que conseguimos engolir um leão e ao final nos engasgamos com um mosquito. Conhecer os mínimos detalhes pode ser decisivo e fazer a diferença nos resultados finais. Um desses mosquitos é quando, ao executarmos o acabamento e polimento, percebemos a presença de uma linha branca, que aparece do nada e que não estava no nosso roteiro. Um dos erros que muitas vezes cometemos, até por sermos bem conservadores e termos receio de condicionar e de repente essa área não ser recoberta, é fazer o condicionamento ácido restrito à área do preparo e do bisel. Somos restritos nesse momento, mas ao restaurarmos levamos nossa resina além desses limites. E, levando a resina a uma área que não sofreu condicionamento e que não tem adesão, o resultado é o aparecimento da tal linha branca. Esse é um dos fatores adversos, mas existem outros, como a descamação precoce dessa resina sem adesão, além do manchamento prematuro.

O que fazer para evitar? Faça seu condicionamento ácido com uma margem de segurança além dos limites da cavidade e boa sorte!

Deixe seu Comentário